Scars (portuguese)

Just some rambling in Portuguese about my scars
-
Eu sempre escondi as minhas cicatrizes muito bem.
Durante o ensino médio eu nunca me encaixei nos estereótipos de quem se cortava e nunca mostrei nenhum sinal de depressão. Sempre fui a piadista do grupo e raramente mostrava tristeza em público.
Eu sempre tive muito medo de que as pessoas descobrissem, porque uma coisa que eu nunca gostei durante toda a minha vida é de chamar atenção. Não gosto que as pessoas se preocupem comigo, ou que falem de mim (não importa se é bem ou mal), e eu sei que se eles vissem as minhas cicatrizes, eu iria acabar virando assunto em rodinhas de conversa.
Alguns dos meus amigos mais próximos já viram as minhas cicatrizes, eles sabem que eu corto, mas nós não conversamos sobre isso.
É muito difícil esconder essas cicatrizes morando em um lugar tão quente como Salvador. Agora é um lifestyle. Todas as minhas compras de roupas se baseiam nas minhas cicatrizes! "Será que essa manga é suficientemente comprida?".
Eu me preocupo tanto em esconder as minhas cicatrizes que até mudei o local de cortar. No começo, todos os meus cortes eram feitos no meu antibraço, mas era impossível só vestir manga comprida! Resolvi então só cortar nos pulsos (onde eu posso esconder com pulseiras) e no upper arm (onde quase todas as mangas curtas conseguem esconder). Já cortei na barriga, na coxa e no peito também, mas a sensação de alívio não foi a mesma.
Hoje os meus cortes são muito piores do que eram há 5 anos atrás e consequentemente as cicatrizes também. 
É meio triste não poder usar biquini, não poder brincar na piscina, não poder usar camisetas, não poder trocar de roupa na frente de ninguém, não poder ficar sem roupa se a luz não estiver apagada. É triste e cansativo. 
Principalmente, cansativo.
Minhas cicatrizes mandam na minha vida.