Zoo Argentino Circunstância Polêmica Ao Permitir Entrada Em Jaulas De Tigre


No entanto pela Argentina não é necessário se contentar com persas, siameses ou um vira-lata. No Zoo Lujan, que fica a setenta quilômetros de Buenos Aires, visitantes são capazes de entrar em tuas jaulas para fazer carinho, doar leite e retirar fotografias, como se nada mais fossem que grandes gatos domésticos. Também é possível alimentar e interagir com elefantes e ursos.



O zoo é um sucesso. Quem não amaria de segurar um leão bebê no colo, tocar e dar leite a um tigre adulto ou ver bem de perto um urso pardo sem correr riscos?is?FuorK2VE3zYz0U-qpY_U2EH3Y_TajJeF_N64g Em blogs de filmes como o Youtube para ver de perto uma porção de visitantes animados - diversos deles brasileiros - em aparente pacífica convivência com diferentes animais silvestres.



Em fotos de 2009 publicadas em alguns carros da imprensa mundial, uma mulher aparece sentada no lombo de um leão. O controvertido Zoo Lujan existe desde 1994. A coleção inicial tinha um macaco, dois burros, 2 pôneis, outras lhamas e cervos, um casal de leões e alguns pavões, que faziam fração da coleção pessoal do dono, Jorge Alberto Semino.



Com o tempo, Semino foi agregando novos exemplares, diversos vindos de doações, permutas e compras de criadores de animais, em especial aves, como melros e papagaios. Hoje, em um terreno de 15 hectares, estão abrigadas jaulas e setores arborizados, onde os visitantes conseguem, inclusive, passar o dia e fazer churrasco, e também interagir com os animais.



O grupo de leões africanos é o mais essenciais entre os felinos do zoo, com mais de oitenta animais. Há também 20 tigres de Bengala e 12 onças. Há cerca de cinquenta macacos de diferentes espécies da América do Sul, como essa de um casal de elefantes, Sharima e Arly, que chegaram a Lujan em 1999, comprados de criadores da Sumatra. Prontamente o casal de ursos pardos Leonel e Florencia foram comprados do Zoológico de Batan, na cidade argentina de Mar do Plata, em 2008, ainda filhotes.



  • Se pesa oito kg, entre 340 e 410 g

  • 237 "Vegeta luta por seus entes queridos." O Sacrifício de um Pai 24 de Agosto de 1994

  • vinte e quatro de Junho de 1999

  • Prisão de ventre


Em seu site, o Zoo de Lujan diz que a compra de animais, o que eles preferem chamar de resgate, acontecem pra salvar os animais das condições lamentáveis em que diversas vezes eles vivem, principalmente em circos. Apesar do discurso consciente, Lujan é um território polêmico. Eu só tenho uma expressão para contar o zoológico de Lujan: vergonha", citou ao iG Carlos Fernandes Balboa, responsável pela cota de educação ambiental da Fundação Vida Silvestre, de Buenos Aires. Pra Balboa, os animais representam um traço para os visitantes e cuidadores inexperientes. Um tigre em ‘dia ruim’, como poderá ter cada um, podes mudar a sorte dos visitantes", diz. A direção do zoológico nega veemente o emprego de remédios.



No roteiro pelo zoológico, uma guia diz assim como que animais sedados costumam ser mais prejudiciais que os outros, pelo motivo de sentem-se tontos e acuados. Em entrevista ao iG , Santiago Semino, coordenador do zoológico, diz que os tratadores estão em contato com os animais desde que eles nascem e sabem ler tuas reações e humores. Isto impede acidentes", confessa.



E se alguma coisa acontecer, a responsabilidade é nossa, como cada outro estabelecimento comercial".is?OBgvoK76dGd_YJ2l8UQNoXQ4tK5X-p0wDpK1- Em um vídeo institucional, o criador do ambiente aparece brincando com leões e cuidando deles dentro de jaulas da sala de uma casa. Diz que os felinos do zoológico são todos nascidos em cativeiro e desenvolvidos, desde menores, de modo a perder seu instinto predador e de competitividade.