Barriga Tanquinho Depende oitenta por cento Da Alimentação

is?0i77LV881HuxYPcDEgoQK0TmEBsEAuZLg1TRC


Nessa semana, um ministro do governo britânico foi um dos últimos a alertar as pessoas sobre o assunto os perigos das dietas 'milagrosas', mas isso não impediu que tais regimes ganhassem popularidade no mundo inteiro de lado a lado dos séculos. A história mostra que desde os tempos de gregos e romanos os seres humanos neste momento adotavam rotinas de restrições alimentares.



Louise Foxcroft, historiadora e autora do livro Calories and Conserts: A History of Dieting Over dois,000 years (ou Calorias e Espartilhos: Uma História da Dieta a partir de 2 mil anos, em tradução livre). Deste jeito, quais são as dietas milagrosas mais estranhas e danosos à saúde da história? Na virada do século 20, o americano Horace Fletcher popularizou a ideia de que uma das maneiras mais efetivas de perder gordura era mastigar e cuspir bastante. Eu quase neste momento tinha me esquecido, para falar sobre este tema este artigo com você eu me inspirei por esse blog falando sobre, por lá você poderá encontrar mais informações valiosas a esse artigo.



O fletcherismo, como foi chamado teu recurso de perda de calorias, dizia que as pessoas deveriam mastigar a comida até todas as calorias fossem "extraídas" e depois cuspir o material fibroso que restou. Fletcher detalhava minuciosamente quantas mastigadas a pessoa tinha de oferecer pra cada tipo de comida. Segundo ele, um definido tipo de alho, por exemplo, teria de ser mastigado em torno de 700 vezes. Por mais estranha que pudesse parecer, a dieta do americano ficou bastante popular e atraiu numerosos seguidores famosos, como os escritores Henry James e Franz Kafka. Segundo Foxcroft, o regime chegava ao ponto de cronometrar os jantares de modo que as pessoas mastigassem a comida. Também no começo do século passado, uma dieta inusitada fez bastante sucesso.



O regime previa a ingestão de tênias (ou solitárias) para perder calorias. A cantora de ópera Maria Callas teria sido uma das celebridades falando sobre daquela época a ter comido parasitas para perder peso. As pessoas que seguiam essa dieta deveriam ingerir ovos dos parasitas, frequentemente em forma de pílulas. A teoria baseava-se pela ideia de que tão logo as tênias atingissem a maturidade no intestino dos pacientes, absorveriam a comida, dando começo ao recurso de perda de gordura, por vezes, acompanhado de diarreia e vômito. Uma vez que o usuário atingisse o peso desejado, tomaria uma pílula para matar os parasitas que, no melhor dos casos, morreriam.



A pessoa teria, deste modo, de excretá-los, o que poderia causar complicações no abdômen e no reto. O regime era arriscado em numerosos sentidos. Não só o parasita poderia crescer em até nove metros de comprimento dentro do corpo humano do seguidor da dieta, como também poderia causar numerosas doenças, como dores de cabeça, problemas oftalmológicos, meningite, epilepsia e demência. Annie Gray, especializada em nutrição.



O boom da indústria da dieta assim como foi facilitado pelo avanço no número de celebridades, dos meios de comunicação e dos novos remédios, complementa Foxcroft. Remédios, pílulas de perda de calorias e 'poções mágicas' tornaram-se um enorme negócio no século dezenove. No entanto tais medicamentos geralmente continham ingredientes perigosos, incluindo arsênico e estricnina.





    • 2 colheres de sopa de arroz (20 pts),


    • um colher de ajudar de batata baroa


    • Englobar os ingredientes ao liquidificador


    • Queima gordura abdominal e localizada


    • Sopa de inhame ou Abóbora


    • vinte e cinco de março de 2016 às 1:25 #





Apesar de a quantidade de arsênico nas pílulas ser pequena, era também muito perigosa. Não eram raras ocasionalmente em que os seguidores dessa dieta tomavam uma dosagem acima da recomendada pra perder gordura mais rápido, morrendo por envenenamento. Ademais, o arsênico nem sempre aparecia pela bula como um dos ingredientes do remédio, o que fazia com que as pessoas desconhecessem o que estavam tomando.



As dietas de celebridades são mais antigas do se pensa. Lord Byron foi um dos primeiros ícones nesse tipo de regime e ajudou a dar o pontapé na obsessão pública a respeito de como os conhecidos perdem peso. Como as celebridades de nos dias de hoje, o poeta britânico trabalhava duro para conservar a cintura. No começo de 1800, ele popularizou um tipo de dieta que consistia majoritariamente na ingestão de vinagre. A proposta desse regime era de que, para limpar o corpo humano das impurezas, a pessoa precisaria consumir vinagre todos os dias e comer batatas embebidas no líquido. Os efeitos prejudiciais incluíam vômito e diarreia. Devido a da imensa influência cultural de Byron, havia muita preocupação a respeito do efeito da dieta na juventude daquela época.