Animal Voltou A Haver?

is?ZVax-775Ts_MEo2yfZhoDzF2Cya9sEK26FikN


Cientistas da Escola James Cook (Austrália) ouviram numerosos relatos de pessoas que disseram ter visto um animal semelhante com uma raposa, com listras de tigre e aspecto de cachorro pela região de Queensland (nordeste do país). Uma das pessoas que viu o animal trabalha no Parque Nacional de Queensland, e o outro é camponês.



Eles viram a espécie à noite. Bill Laurance, um dos pesquisadores, acredita que estas observações descrevem a espécie tilacino, chamado de tigre-da-tasmânia, oficialmente extinto há mais purevolume.com de 30 anos. Se chegou até por aqui é em razão de se interessou a respeito do que escrevi por esta postagem, certo? Para saber mais dicas a respeito de, recomendo um dos melhores sites sobre este tópico trata-se da fonte principal no assunto, acesse nesse lugar hábitos dos gatos - Http://data.gov.uk/,. Caso precise pode entrar em contato diretamente com eles marlonnogueira112.myblog.de na página de contato, telefone ou email e saber mais. As especificações de olhos, tamanho, tipo e posicionamento não batem com nenhuma possível espécie que poderia ser confundida pela localidade, como cães, porcos selvagens e dingos (subespécie de lobo).



Apesar de que o tigre-da-tasmânia tenha sido de forma oficial declarado extinto em 1986, há biólogos que acreditam que o último animal da biancaperez9406.soup.io espécie tenha morrido bem antes, em 1936, num zoológico de Hobart, capital do estado australiano da Tasmânia. Tigre-da-tasmânia: espécie voltou a existir? Laurance não foi o primeiro a se intrigar com essa história do tigre-da-tasmânia. Represento milhares de pessoas que são consideradas malucas", argumentou Waters em entrevista ao jornal britânico The Guardian pela época. Ele acredita que, nos últimos 80 anos, houve mais de cinco.000 relatos de pessoas que viram o animal. Apesar da característica quieta do tigre-da-tasmânia, ele não é considerado um felino, e sim um marsupial - ou melhor, detém características similares ao canguru. Segundo o Museu Nacional Australiano, os primeiros da espécie surgiram há quatro milhões de anos e se espalharam pela região da Tasmânia, que fica pela costa sudoeste do país.



De hábitos noturnos, o tilacino evitava contato com o homem. Os machos tinham por volta de um,80m de comprimento e pesavam, em média, quarenta kg. Prontamente as fêmeas possuíam listras pequenos e tinham aquela bolsa típica do marsupial (parecida com a do canguru, pra carregar filhotes), voltada pra trás. Dessa maneira, ela protegia os menores (conseguia carregar até quatro deles) da vegetação áspera da localidade, que costumava cortá-los.



Uma série de fatores contribuiu pra sua extinção: desde a chegada dos dingos, que modificaram o habitat natural, à formação das primeiras colônias do século XIX, que deram início à indústria agrícola. Como algumas destas pessoas montavam gado e ovelhas, passaram a impedir cães selvagens. Então, o tigre-da-tasmânia levou a fama de ‘devorador’ e foi considerado um ‘inimigo’ dos fazendeiros.





    • 1 colher (sopa) de amaciante de roupa


    • Karina medaglia alegou: 10/09/doze ás 22:18


    • Hit na web! Cachorra criada com gatos pensa que é um felino


    • Cabeça plana, com crânio mais extenso que o focinho





Por conta disso, o governo local, que respondia ao Império Britânico, estimulou a matança desses bichos, oferecendo recompensas a caçadores que entregassem suas carcaças. Entre 1830 e 1920, pelo menos três.500 tilacinos foram capturados na caça humana. Nos últimos anos, a espécie foi centro de uma polêmica sobre o assunto trazer animais extintos de volta à existência. O tilacino foi uma das espécies cogitadas, contudo alguns cientistas argumentam que trabalhar com coletas de DNA do animal são caras e bastante complexas.



O lobo-de-honshu (Canis lupus hodophilax) foi um pequeno lobo de cor parda que habitava em zonas montanhosas da ilha japonesa de Honshu. A tua extinção precisa-se a uma combinação da introdução de raiva e irradicação orquestrada. Até a Era Tokugawa, os lobos eram venerados no Japão, já que mantinham animais herbívoros como cervos afastados das colheitas.



No entanto pela Era Meiji, o governo passou a promover um novo tipo de agricultura, baseada nos ranchos ao tipo estadunidense. Isto levou a muitos conflitos entre lobos e fazendeiros, porque os lobos passaram a atacar o gado. Desta maneira os fazendeiros passaram a matar os lobos, valendo-se de expedientes por exemplo envenenamento por estricnina e armadilhas de ferro, além de oferecerem recompensas. Pela cultura japonesa os lobos eram animais bastante venerados. Isso nota-se nos fonemas e na foram de escrita usados pelo povo japonês ao se alegar a este animal, ookami (vasto-deus, 大神).



As montanhas sempre foram consideradas sagradas para o público japonês, inclusive se erguem templos aos pés das montanhas em veneração ao deus (Kami, 神) que habitava nela. Os lobos eram animais que viviam nas regiões montanhosas e como habitantes das mesmas, assim como eram animais sagrados, e de vez enquando, considerados o respectivo espirito da montanha (yama no kami, 山の神) ou o deus-real (真神). Eram os guardiões sagrados que cuidavam e vigiavam as montanhas, tuas florestas, e seus habitantes, do mesmo jeito que os cães domésticos cuidam dos homens e de tuas aldeias. Ao inverso do que se vê com as raposas (kitsunis) e os teshugus (tanukis), os lobos são animais nobres, benignos, protetores dos homens, muito justos, eles eram um "girigatai" (uma pessoa com potente senso de dever).



Há algumas lendas japonesas que contam o quanto estes animais são bons e dignos. A companhia do lobo durante uma jornada era visibilidade como uma proteção ao viajante. Algumas lendas contam de pessoas que obtiveram a longevidade ao consumir o leite da loba no momento em que meninas. Como esta de na lenda indiana do fedelho lobo (Mowgli), há lendas japonesas de meninas que foram adotadas e construídas por lobos. As mães camponesas usavam amuletos com forma de lobos para chamar proteção pro espírito dos filhos pequenos falecidos, e para que o lobo preserve seus restos mortais da curiosidade dos animais da floresta.